Consequências da falta de energia na comunicação

Sem comentários

Você já caiu na famosa bolha durante um discurso , palestra, aula de alguém ou alguma reunião? Se você não sabe o que é isso, vou te explicar… A bolha é o lugar onde você entra quando há uma falta de energia na comunicação.

Você nota a falta de energia na comunicação de alguém quando, por exemplo, um palestrante chega para falar com seu público e se senta todo à vontade e começa a falar, por um longo período inclusive, em tom de voz baixo, mesmo que ele diga ser apaixonado sobre o tema, e de repente você se percebe com a atenção desprendida da fala e até do ambiente.

Na andragogia, que é a ciência que estuda o aprendizado do adulto, tem alguns princípios e um deles está relacionado ao nível atenção do adulto.

Estudos da área dizem que o adulto mantém a sua atenção plena em algum discurso, feito com o mesmo tom de voz e sem energia, entre 7 e 10 minutos apenas. Ou seja, depois disso o ouvinte parece que começar a escutar um tipo de canção de ninar que dá um sono e chega até a distorcer tudo o que é falado… Quando alguém que está ouvindo uma mensagem chega nesse estágio, significa que ele entrou na bolha.

Então é necessário observar a energia transmitida durante a comunicação e administrá-la bem durante um discurso ou fala para prender a atenção dos ouvintes. E isso está muito ligado a empatia. Ou seja, está ligado em saber se colocar no lugar do outro e avaliar se o que está sendo falado está sendo captado de fato.

 

Eu fiz uma palestra que falei mais sobre esse assunto e espero que possa assistir e interagir comigo lá no meu canal. E se gostar, curta e compartilhe também:

 

🍎 Eduardo Zugaib – Profissional de Comunicação e Desenvolvimento Humano, atividades que se misturam ao longo de mais de 25 de anos de carreira. Escritor e conferencista em nível nacional. São mais de 10 anos provocando e inspirando pessoas e organizações para uma vida com mais Propósito, Protagonismo e Performance.

Artigo anterior
Os riscos da péssima comunicação
Artigo seguinte
O preço passa, mas a experiência fica
Menu